Homens por Bert Hellinger

May 24, 2019

 

"Muitas vezes tratamos o nosso corpo como se fosse subordinado ao nosso espírito. Tratamos o corpo de forma  pretensiosa, embora sem ele não haja o espírito ou outra coisa que possa viver por si só.

 

No antagonismo entre espírito e corpo, da forma postulada por muitos, incluindo religiosos e espiritualistas, reflete-se um outro antagonismo, principalmente no caso dos homens: trata-se do antagonismo entre homens e mulheres.

 

Quantos atos de desdém, opressão, mutilação e degradação já foram praticados por muitos homens contra as mulheres!

 

 

Tratando suas mulheres como um objeto pessoal à sua disposição, que pode ser trocado ou jogado fora, sem compaixão, respeito e sem coração.

 

Muitas vezes, agem da mesma forma com relação a seu corpo. Negligenciam-no, colocando-o em risco pelos chamados valores

espirituais, frequentemente em busca de uma glória vaidosa. 

 

O que nos resta de uma guerra ou campanha além do estupro de uma mulher no cenário da nação, derrotada, levando por sua vez, ao estupro de diversas mulheres, sem compaixão, respeito e coração?

 

Onde começa para nós a reconciliação e a paz em todos os níveis? No respeito e amor às mulheres e na tomada pelo homem de uma posição embaixo e ao lado da mulher. Esse movimento vai muito além da chamada igualdade de direitos, da mesma forma como não é possível haver uma igualdade de direitos entre corpo e espírito, mas apenas a união de algo com aquilo que o precede, carregando-o e suportando-o na vida.

 

Quando penso no que muitos homens fizeram às mulheres durante tanto tempo, meus olhos enchem-se de lágrimas, assim

como quando penso naquilo que eu e muitos homens fizemos ao corpo delas e ao corpo de diversas outras pessoas.

 

Muitos homens, principalmente os homens, tratam a Terra da mesma forma que tratam as mulheres, apesar de esta ser o seu único abrigo.

 

De forma similar, lidam também com o dinheiro. Diferentemente do dinheiro proveniente de um salário merecido por um trabalho, o dinheiro que chega às mãos dos homens proveniente do ganho sem motivo, como aquele que provém de uma nova guerra, mutila os verdadeiros responsáveis pela sua sorte.

 

Como podemos voltar aos nossos fundamentos? Como é possível para os homens retomarem às mulheres? Como retornam às suas mães as mulheres que se sentem numa situação similar com relação a seus corpos?

 

Com humildade. Retornamos à Terra a partir de uma altura arrogante. Com um deslocamento de peso, retornamos do ar de volta para a Terra, atraídos pelo solo materno, do qual viemos e o qual nos nutre e carrega. Assim, as mulheres carregam os homens e as outras mulheres com um amor materno, vinculadas e unidas a eles, sem se sobrepor aos mesmos.

 

Também dessa forma retornamos ao nosso corpo e, por meio deste, ao poder criativo: arquétipo e serem de toda a vida, que encontramos em sua forma mais ampla na mulher e na mãe, assim como em nosso corpo. 

 

Como? Com um amor primordial que, de forma maternal, diz a tudo aquilo que traz à existência: “Que se torne! Que seja! Que viva!”

 

Bert Hellinger 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload