Dinâmica das Constelações Familiares por Elaine Romano [Parte 7]

 

(...) Como se desenvolve a dinâmica da Constelação?

 

O cliente coloca a sua questão e o terapeuta colhe algumas informações sobre o sistema familiar. Vale ressaltar que o cliente não precisa revelar segredos de si mesmo e nem dos membros da família.

Com base nessas informações, o terapeuta pede ao cliente para escolher, entre os participantes do grupo, representantes para si mesmo e os principais membros da família, e os posiciona no espaço da sala, de acordo com as suas imagens internas.

 

O terapeuta pergunta aos representantes suas sensações corporais, sentimentos e percepções. A partir daí, o facilitador ou terapeuta, se necessário, altera o posicionamento dos representantes na Constelação e pede a eles que digam frases a fim de buscar uma solução.

 

O passo final é a colocação do cliente no lugar do representante na Constelação. Tal procedimento é muito importante, uma vez que ele poderá sentir, com toda a força, a dinâmica que trouxe a reconciliação e solução para o seu problema.

 

As Constelações Familiares podem trabalhar dificuldades de relacionamento entre os membros da família ou de trabalho, relacionamento entre casais, namorados e amantes, relacionamentos atuais, conflitos e traumas não resolvidos com os parceiros anteriores, apego e desavenças com ente querido já falecido, por exemplo: luto ou dor não vividos, culpa reprimida e outros sentimentos que aprisionam, pessoas rejeitadas ou excluídas da família, triângulos amorosos e incesto, dificuldades para engravidar, adoção, abortos, distúrbios de comportamentos, tais como: agressividade, culpa, medo, tristeza, ansiedade, depressão, dependência química, saúde e doenças, padrões repetitivos ao longo de gerações, questões profissionais e financeiras, entre outras. (...)

 

ROMANO, E. (Diálogos Interdisciplinares) 27 p. Revista Psicologia – Especial Constelação Familiar, Editora Mythos, 2016.

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload